Nada de trem ou metrô, o negócio é faturar com gasolina e multas –

Quanto pior, melhor. Maior o lucro.

 É o que parecem pensar as autoridades sobre o trânsito e engarrafamentos. Nada de trens, ampliação de linhas do metrô. Eles querem carros nas ruas, queimando combustíveis. Em cada litro que compramos, 70%  são  impostos indiretos. Sem falar na indústria de multas, que alcança elevados picos de arrecadação nas épocas de feriadão ou horários de rush.

A cada feriado prolongado, engatado com fim de semana, nosso  sofrimento é  a alegria dos governantes. Governadores e prefeitos parecem gostar do caos no trânsito.

Irritados com a lentidão, motoristas avançam sinais, excedem velocidade e quando chegam ao destino estacionam em lugar proibido, para delírio das prefeituras.

Trem, VLT,  nem sonhar. Isso seria um risco para suas intenções. O negócio é entupir as ruas de ônibus, criar faixas seletivas e reduzir ainda mais os espaços para quem precisa (e é obrigado) andar de carro. E os ônibus estão sempre lotados, quentões.

Ferrovias, isso não nos pertence mais…

Assim, nem burro agüenta…

 

Anúncios