Caiu a máscara de Joaquim Barbosa, o “musa do Mensalão”. Depois de ofensa a jornalista, TST admite em nota que ele é temperamental.

joaquim barbosa

“Musa” do Mensalão, Joaquim feriu o decoro ao xingar jornalista em público. É um descontrolado

Nada é eterno!

O Ministro Joaquim Barbosa, cantado em verso e prosa como exemplo de virtude e serenidade, o preferido do Brasil, protagonizou em Brasília uma das cenas mais vexatórias de que se tem notícias. Perdeu as estribeiras, gritou e ofendeu jornalista ao deixar o plenário do STF que preside.

Decerto, por intermédio daquele repórter (da Folha de São Paulo), S. Exª expressou o que sente dos jornalistas e dos veículos que representam. Cuspiu no prato onde comeu, pois foi graças à imprensa que ganhou mais notoriedade e respeito Brasil  afora.

Mas Joaquim Barbosa voltou a ser abóbora, com  defeitos, recalques e intolerância ao destilar seu ódio contra um profissional de imprensa como se tivesse o deus na barriga (talvez isso ocasione as dores de coluna), com jactância própria dos déspotas.

Joaquim Barbosa trocou a eloquência pela basófia ao berrar com o jornalista e, protegido por um séquito de seguranças, chamar o colega de Palhaço em tom ofensivo, como se o quisesse chamar de idiota, canalha, mas nada  que tivesse conotação com artista de circo.

Será que Joaquim Barbosa é assim mesmo, intolerante, impaciente e repulsivo? Vai ver que é, só que o população não sabe de nada. Melhor dizendo, não sabia dessa face oculta.

Em nota,  a assessoria do Supremo, tenta explicar o inexplicável. Admite que Joaquim Barbosa fez grosseria e faltou com respeito, quando dele se esperava urbanidade e cordialidade. O que se viu foi INCIVILIDADE radical.

Cristalino se revela que o Ministro Joaquim Barbosa quebrou o decoro da magistratura e deu monstra de que não tem a menor condição de presidir a Suprema Corte.

De minha parte eu só tenho a dizer:

FORA!, JOAQUIM BARBOSA.

Seria mais digno renunciar e ir se tratar.

Não precisamos de insanos no STF.