O passaralho que aterrizou na redação do Globo concedeu a algumas de suas vítimas um beneficio na base do “ou dá ou desce”. Antes, os decepadores de cabeça que comandavam o cacetão-voador adotaram uma técnica criada por FHC para se livrar de quem dedicou parte de sua vida a aumentar o patrimônio dos bilionários Marinhos: a demissão voluntária.

Há tempo que o Cacetão-Voador faz carnificina nas redações do Infoglobo.

Há tempo que o Cacetão-Voador dá voos rasantes  nas redações do Infoglobo.

Esse feitiço, tão a gosto da editoria de economia do jornal (quem diria!), acabou virando contra eles mesmos, agora, anos depois. A editoria foi a mais afetada e se não fosse tripudiar em cima da desgraça alheia, eu diria que talvez agora percebam quanta sacanagem há nessa proposta que outrora julgaram tão atraente.
Como a lei de aposentadoria está mudando sempre, o Globo despejou à própria sorte dezenas de profissionais que dificilmente serão aproveitados pelo mercado cada vez mais restrito e até monopolizado pela família Marinho.
Os sobreviventes desse ataque sabem que cedo ou tarde sua vez vai chegar, pois o Passaralho é incansável e abastecido pela ambição e cobiça, ingredientes que transbordam nas chefias das organizações Globo.
Resta aos humilhados a desculpa de que pediram para sair. Deixo de citar aqui alguns detalhes das negociações, pois a fonte poderia ser facilmente identficada, de vez que os “pedidos de demissão” voluntária tiveram diferentes tratamentos.
Tentei falar com a presidente do Sindicato dos Jornalistas, Paulinha Mairan, mas o celular que eu tenho dela (final 6211) está fora de operação. O do sindicato, 39062450, não atende. Nem no gabinete do Vereador do Psol, Henrique Vieira, ela trabalha mais.