MAL É CONHECIDO COMO TARADIDDLE , QUE FAZ A MULHER  TER MAIS DE MIL CONTRAÇÕES NUM ORGASMO –

Doctor  Aprilfirst prestou os primeiros socorros

Doctor Aprilfirst prestou os primeiros socorros

Foi encontrada morta no dia hoje (01/04), num quarto de motel na Via Dutra, a estudante X., de 18 anos. O namorado dela, em depoimento à polícia, disse que a menina não parava de gozar. “Ela se contorcia, gemia e gritava, tudo ao mesmo tempo. Pensei que estivesse tirando sarro comigo, mas como demorou uns cinco minutos , relatei o ocorrido aos funcionários do motel, que entraram em pânico, dizendo que era crise de uma tal de “taradiddle”, que podia leva à morte” – explicou.
Os funcionários procuraram um médico entre os hóspedes enquanto chamavam uma ambulância. Um médico americano, hóspede do motel, conhecido apenas como Doctor Aprilfirst, prestou os primeiros socorro e pouco pode fazer.
– Era taradiddle, agravada com o fato da moça ser virgem e com pouca experiência sexual. Fizemos todos os procedimentos, como jogar água gelada no corpo, dar tapas no rosto, mas ela não parava de gozar escadalosamente. Tinha esperança de que na ambulância UTI ela pudesse escapar com vida, mas o socorro demorou muito.
X. teve duas paradas cardíacas e foi reanima pelo médico até a chegada da UTI móvel. Levada para o Hospital de Vigário Geral, foi diagnosticada a morte cerebral devido à quantidade de descargas e o esforço dispendido pelos músculos vaginais, que chegaram à absurda marca de 1 mil contrações por segundo, quando o normal são de 8 a 13 a cada 10 segundos ou 78 por  minuto.
– Ela não relaxava, parecia que nunca chegaria ao clímax, como de fato não chegou. A taradiddle se caracteriza pelas contrações continua, aumentando a sensação de prazer que é própria do gozo, mas seguida de relaxamento. Isso não aconteceu com ela, que ficou em estado permanente de prazer, sem relaxar, mesmo sem estar sendo penetrada – explicou o cientista.
A taradiddle não é rara, há casos de mulheres que gozam por longos períodos, de até dois minutos e não morrem. No caso de X. foram mais de 13 minutos gozando sem parar, sem contar o tempo de reanimação.
O Delegado da 391ª DP, Adolfo Dias, mandou prender o namorado de X. por considerar que ele foi autor de homicídio culposo, sem intenção de matar, “se a moça não gozasse, não teria morrido e ele foi o causador”.
X e o parceiro se conheciam desde criança e se comprometeram perderem juntos a virgindade. Ele estava desconsolado ao deixar a delegacia apó pagar a fiança R$ 1.420,14.