Lava-Jato: Gallo pede a Moro para pagar aos 15 rmil operários  demitidos em Niterói

A Câmara Municipal de Niterói encaminhará nos próximos dias pedido ao Juiz Sérgio Moro, da Lava-Jato, para que o dinheiro recuperado na operação seja prioritaiamente destinado à formação de um fundo de assistênccia imediata aos milhares de trablalhadores de estaleiros quee estão sem receber salários desde ue a crise começou.
– Famílias bem estruturadas desmoronaram da noite pro dia. Seus chefes trabalharam e não receberam nada. Estão com a luz e a água ccortados, o consumo de remédios aumenou, falta comida na me sa dessa gente. Só em Niterói, são 15 mil trabalhadores em situação de miséria. “Estamos apelando ao Juiz Sérgio Moro para que ao invé de destinar todo dinheiro recuperado para a Petrobrás, uma parte seja usada prioritariamente para socorer esses operários – disse Gallo.

Mihares de trabalhadores trabaharam para a Petrobrás e não receberam

Mihares de trabalhadores trabaharam para a Petrobrás e não receberam

O vereador, autor de inumeras leis que aumentaram a qualidade de vidaa dos moradores de Niterói, propõe que, em âmbito nacional, seja criada uma lei para assegurar que os trabalhadores tem prioidade no recebimento de dinheiro devlvdo na Justiça. Hoje, ele pedirá ao residente da Câmara, Paulo Bagueira, que coloque em votação Requerimento propondo ao Juz Sérgio Moro que, por ofício, determine que parte do dinheio seja reservado e entregue aos funcionário dos estaleiros.

galloooo
– Só a Camargo Correia se comprometeu a devolver quase R$ 800 mihões pelo aacordo de leniência. Até agora, mais de R$ 2 bilhões fram recuperados. Não faz sentido atender apenas aos interesses d Peetrobrás, que foi tungada sim, mas os trabahadores, qu em ultima análise prestram serviços à Petrobrás fiquem a deusdará. Bem ou mal, a Petrobrás tem fonte de receita, enquanto os trabalhadores estão à mingua – isse. E ompletou.
“Esse pessoal sequer percebeu que poderia ocorrer demissão no stor, que ia de vento em popa, contratando mais e mais, crescendo dia a dia. De repente, o mundo dsaba. Nõ receberm os lários, os direitos trabalhaistas, nada, nada”.
Gallo explicou por que não inccluiu os trabalhadores do Comperj entre os beneficiaddos. “Somos de Niterói, só conhecemos a realidade daqui, que é gravísima. Num primeiro momeno, temos a obrigação de defende nosos opeários, pois todos setores estão seno prejudicados, de uma forma ou de outra” concluiu.estaleiro