Prefeito não teve competência para vencer  no primeiro turno

Nem com a máquina  da Prefeitura e enfrentando adversários sem recursos Rodrigo Neves conseguiu votos suficientes para ganhar as eleições em Niterói. Ficou com apenas 47% dos votos validos, muito longe do que o que diziam as pesquisas, onde figurava com cerca de 60% dos votos. Montou uma espécie de rolo-compressor, financiado pelo preso da lava jato, Ricardo Pessoa, empresários da construção civil, dos transportes, da educação, mas nem assim teve folego e competência para matar a eleição que tinha contornos de segundo turno. Rodrigo Neves conseguiu o impossível: não vencer no primeiro turno. A decisão foi tomada pelo eleitorado de Niterói, contrariando as expectativas de seus adversários, que tinham admitido a derrota no primeiro turno.

O segundo turno será um salve-se quem puder, sem a participação de vereadores derrotados e candidatos a câmara sem nenhum outro estímulo. Foi uma covardia a superioridade da boca de urna e da militância de Rodrigo Neves nas ruas. Não se via nenhum material de seus adversários. A propaganda dele era predominante. Se tivesse que ganhar, Rodrigo Neves ganharia no primeiro turno.

Nem com a máquina da Prefeitura e enfrentando adversários sem recursos Rodrigo Neves conseguiu votos suficientes para ganhar as eleições em Niterói. Ficou com apenas 47% dos votos validos, muito longe do que o que diziam as pesquisas, onde figurava com cerca de 60% dos votos. Montou uma espécie de rolo-compressor, financiado pelo preso da lava jato, Ricardo Pessoa, empresários da construção civil, dos transportes, da educação, mas nem assim teve folego e competência para matar a eleição que tinha contornos de segundo turno. Rodrigo Neves conseguiu o impossível: não vencer no primeiro turno. A decisão foi tomada pelo eleitorado de Niterói, contrariando as expectativas de seus adversários, que tinham admitido a derrota no primeiro turno.

O segundo turno será um salve-se quem puder, sem a participação de vereadores derrotados e candidatos a câmara sem nenhum outro estímulo. Foi uma covardia a superioridade da boca de urna e da militância de Rodrigo Neves nas ruas. Não se via nenhum material de seus adversários. A propaganda dele era predominante. Se tivesse que ganhar, Rodrigo Neves ganharia no primeiro turno.

Reegião Ocenica reprovou a admnistrçõ de Rodrigo Neves, suas alianças e jogadas para confundir os eleitores, mudando de partido ao apagar das luzes.