Archives for category: Rio de Janeiro

É A CONCLUSÃO DO PARECER DO RELATOR SÉRGIO ZVEITER, ACEITANDO AS DENÚNIAS DE JANOT

ZVEITER

Sérgio Zveiter abre caminho para afastar temer

No que depender do Deputado Federal Sérgio Zveiter, relator da CCJ da Câmara, a casa deve sim autorizar que o presidente Michel Temer responda ao processo aberto no Suprem Tribunal Federal.

Ontem, o relator – que já tinha opinião formada a respeito do tema-concluiu seu parecer, tendo inclusive uma assessoria ilustre, a do pai, o ex-Ministro Waldemar Zveiter, que já foi presidente do STJ e é considerado um dos juristas mais notáveis do Brasil.

Como vai ter que ler o parecer no plenário da CCJ, Sérgio Zveiter não se deteve a “encherão de linguiça”. Quem leu a minuta do relatório disse que “é sucinto, mas uma verdadeira tese de direito, que alerta para a independência entre os poderes da República e diz que os argumentos e provas apresentados pelo Procurador-geral, Rodrigo Junto, são da mais alta gravidade. ”

Deputados da CCJ favoráveis ao processo, citam que o próprio Michel Temer, no discurso em e que gritou “não renunciarei”, salientou eque queria ser processado pelo STF, dizendo ser o local ideal para provar sua inocência.

Agora, a julgar pelo esforço que depreende para impedir o processo, percebe-se que Temer mentiu. De movo.

 

 

A

 

 

Anúncios

Ex-Ministro do PT aproveita audiência com Sérgio Moro para se valorizar

plocci

Palocci aproveitou audiência com Sérgio Moro para fazer seu comercial

Caro Palocci, captei a sua intenção  ao ameaçar jogar muita merda no ventilador, delatar geral.

Os banqueiros do Brasil (que ainda não foram afetados pela Lava-Jato), também.  E já se organizam para pagar pelo sossego de que desfrutam.

Palocci, seu malvado, arrumaste um  modo de captar muito dinheiro dos bancos privados, nunca antes tão beneficiados  e com tantas regalias nesse país.

A dinheirama paga pelas empreiteiras vai parecer  migalha diante do que deve ter rolado para favorecer os banqueiros, que são igualmente poucos (Bradesco, Itaú, Santander, Safra que me recordo).

Palocci, Palocci, eu te imploro em nome da população brasileira: apanhe o dinheiro deles, mas não deixe de os delatar.

PS.: Gostei da desculpa. Todo mundo sabe que o “Italiano” é você, menos você mesmo..  É como se Edson Arantes do Nascimento negasse ser o Pelé, seu cara de pau!

FATO INTRIGANTE

DELCIDIO

Ex-Senador Delcídio nunca falou nem foi perguntado sobre corrupçõ de bnqueiros

É no mínimo intrigante por que até hoje  nem o Ministério Público nem os juízes Sérgio Moro (Curitiba) e Macelo Bretas (Rio) ainda não questionaram alguns delatores sobre a corrupção envolvendo banqueiros do país e o governo.

Nunca um setor foi tão beneficiado pela politica econômica deste país do que os bancos, igualmente poucos, tal e qual as empreiteiras.

Será que políticos ganciosos como os listados na Lava-Jato pouparam os banqueiros sem nada em troca?

Os bancos no Brasil tiveram duplo beneficio: carta-aberta para esfolar os clientes  e boa-vontade dos congressistas, que nada fizeram para impedir a voracidade do Brdesco, Itaú, Santander e poucos mais contra os brasileiros.

 Gostei de ser enganado!

hemodialise

Vai fechar a Clínica de Diálise do Ingá, a CDI da Rua Tiradentes, única da Zona Sul de Niterói. Trabalhava apenas com pacientes de planos de saúde, péssimos pagadores. Era tida ”cinco estrelas”, oferecendo serviço diferenciado. Seus pacientes estão sendo transferidos para o CDR, na entrada da Favela do Sabão, na Rua São Lourenço, de péssima reputação entre os pacientes da CDI.  “É o suprassumo do lixo, pior que o inferno. Vocês teor pouco tempo de vida lá’, apregoavam todos sobre CDR da favela.

Fui um dos primeiros a serem transferidos (de quatro em quatro), enquanto outros companheiros temiam por sua vez, entrando em depressão ou tendo outras formas de chiliques. Fui feito boi para o abate ou Tiradentes para a forca. E assim preparado para o pior me decepcionei alegremente. O 61 (Venda da Cruz-Icaraí) deixou-me quase na porta.

Tudo mentira, fruto do preconceito contra o lugar em que se instalou. Mais que isso, complexo de superioridade dos médicos e técnicos da CDI sobre seus colegas da clínica na favela.

Eu era infeliz, mas não sabia. Nos últimos dias até dava para sentir: não havia prontidão da enfermagem e médicos quando acusava uma intercorrência, tomei banho de ácido que me afetou a córnea e até a maquininha de café parrou de funcionar, revelando aspecto de “fim de feira”.

Na CDR e sua favela, a primeira surpresa: estacionamento amplo, farto, que não lota nunca. Na CDI, havia apenas duas vagas, na rua e olhe lá!  A turma que tem carro vai adorar.

Na entrada, um tapete vermelho (imaginário) prenunciava que eu teria uma grande e bela decepção ali. Esperavam-me a administradora da casa, no papel de recepcionista de luxo, e o diretor clínico, que me fez lembrar minha eterna amiga e hoje santa Madre Tereza de Calcutá.

O lanche é um sanduiche natural e uma garrafinha de iogurte Danone. Não gostei do atum, mas comi assim mesmo, deu saudade da caixinha de suco e pão com manteiga da CDI, servidos com incrível má vontade por um faxineiro, que se julgava deus do lugar, peixinho da enfermeira-chefe.

O melhor estava por vir: a diálise propriamente dita, coisa que não desejo para ninguém. Tenho uma enfermeira pra chamar de minha. Ela e um anjo até no nome: Ângela, com oito anos de casa. Muita candura e presteza.  A diferença é muita. Não fico mofando na recepção para entrar na sala de diálise. Não dependo do faxineiro para me pesar com má vontade (tudo que aquele semideus faz é com extrema ruindade). Eu me peso e informo qual é o peso e excesso.

Está certo que não há poltronas eletrônicas, mas cadeiras tipo “do papai”, que se dobram e um nojento banquinho de PVC pra se colocar os pés. São baixinhas, acabando com a coluna das enfermeiras (eu chamo técnico de enfermeira também, não vejo diferença).

Minha Anja  me puncionou de modo a fazer esquecer Maryelle e Cintia, minhas doces enfermeiras na CDI. Ângela é um poço de candura e competência. Já transcorreu uma semana de diálise feliz.

E minha nova médica e xará, Paula. Linda, sem complexo, sempre presente e preocupada, extremamente desvelada de tão aplicada à profissão.

Eu me pergunto: onde está o prometido inferno da CDR, alardeado na CDI? Imagino que infernal seria para eles, funcionários da CDI, que se fossem aproveitados na clínica da favela teriam que se enquadrar, respeitar os pacientes, trata-los com urbanidade, o que constituiria tortura para eles. Não sabem ser assim.

Na a CDR, o paciente não é responsabilizado quando sua máquina apita (e não apita sem parar aleia a todos). Muito menos quando sucede uma intercorrência ou “vaza” na hora de ser devolvido. No CDR não tem a cultura de culpabilização do paciente por tudo que lhe sucede.

Porque, e resto, a favelada CDR é um paraíso para mim. Tem o inconveniente quanto à saída para quem depende de ônibus, nada que uma boa caminhada até a Marques de Paraná não resolva. No final das contas, tudo compensa.

Ex-deputado tem muita história pra contar

cunha

Eduardo Cunha não vai livrar a cara de ninguém (foto da internet)

O deputado cassado, ex-presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, já manifestou interesse em delatar todo esquema de Lula, Dilma e dos 300 picaretas do Congresso. Havia tempo que Cunha amadurecia a ideia de entregar todo mundo que agora lhe vira as costas. Desde que viu inúmeros aliados votarem para sua cassação que Eduardo Cunha está sedento de vontade de ir às forras.

Agora, com a decisão o Juiz Sérgio Moro de transferi-lo da carceragem da Polícia Federal em Curitiba para um presidio comum, Cunha diz que não ficará calado.

Vai  jogar muita coisa no ventilador…

 

 

 

ail – Paulo Freitas – Outlook

Nem os ditadores fariam tanto com o país em frangalhos

ditadores

Os ditadores do Brasil teriam vergonha das propostas de michel Temer

Só os trabalhadores civis vão pagar o pato por conta do rombo da previdência social no Brasil.  Os militares das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica), suas viúvas e filhas ficaram de fora do pacote. O Governo não convenceu ao explicar por só a população civil estará obrigada a fazer sacrifícios, alegando que tratará dos militares através de projeto de lei, expediente sem urgência, que vai levar anos tramitando nas casas do Congresso.

A desculpa do governo não convence. Se quisesse que todo conjunto da sociedade contribuísse, trataria das forças armadas na Emenda Constitucional. Conforme o prometido (através de projeto de lei), haverá conflito constitucional. Não se altera a Constituição através de projeto de lei. Então, senhores e senhores mitrares, podem festejar.

Nem os velhos ditadores seriam capazes de lhes proporcionar tantas mordomias com o país em frangalhos.

Ave, Michel Temer.

Jornais “do prefeito” boicotam Felipe Peixoto e omitem convenção.

convenção felipe

Só o jornal “O Fluminense” não sabia da convenção do PSB

 

O  Ministério Púbico Eleitoral não vê, mas até o mais idiota dos homens vai perceber que os veículos de imprensa de Niterói estão vendidos ao Prefeito Rodrigo Neves.

O arauto dessa campanha mórbida e ignóbil é o jornal “O Fluminense”, que acintosamente, na edição eletrônica, desconheceu que o PSB fez ontem sua convenção, coligando-se com o PSDB, que desistiu de lançar candidato.

Esperem só para ver depois de manhã, quando acontecer a convenção de Rodrigo Neves. O Fluminense haverá de ser generoso e fiel ao esquema de abuso do poder econômico que está marcando essa eleição.

Essa predileção dos jornais de Niterói contraria o que dispõe a legislação eleitoral.

Surpreendente, como sempre, artista  está impossibilitado de continuar na Terra

ivald de cachecol

Ivald Granto Filho

Ivald Granato não morreu hoje, vitimado por um enfarte fulminante. Só assim, dormindo para ser vencido com tanta facilidade. Perdeu seu corpo físico, como perderemos todos um dia, e voltou para casa, seu mundo-próprio, morada de seu genial espírito.
Viveu na terra por 65 anos, nos Campos dos Goitacás, Rio de Janeiro (UFRJ) e por último em São Paulo, mas cortejou com todos os lugares do mundo, em especial a América Latina.
Foi inspiador de Raul Sexias, o maluco beleza, precisa dzer mais nada?.
Não vou a enterros, não gosto de enterros e também não acredito na morte. Do contrário estaria ligando para Ivan, seu irmão mais velho que ele e subiria pra São Paulo.
Ivald não morreu porque é imortal por suas obras. É que a morte é apenas uma convenção humana, não alcança os maiores valores da verdadeira vida, que é a espiritual. ivald 14
Toda matéria, em especial a humana, transforma-se (nasce, cresce, floresce e fenece). Já o espirito, a força que habita os corpos, evolui, adquire mais sabedoria e compressão e não as perdem mais, nem com a desencarnação, do contrário continuaríamos homens das cavernas.
Grande peça nos pegou Ivald Granato Filho. Faço ideia a tristeza que acomete a tantos amigos e admiradores. Mas, Ivald foi generoso até na morte. Deixou no Facebook uma espécie de “Melhores Momentos” de sua criação. Vou lá, salvar tudo para mim. São centenas de imagens espetaculares.
Da familia só conheci o Ivan, advogado sagaz e brincalhão, de coração mole e que ficou pelos Campos matando um leão por dia. E por seu intermédio, dileto amigo, expresso meu pesar pelo prematuro desenlace e conforta-me saber que a gente não morre nunca, por mais que queiram.

 

Eis aqui parte do curriculum que Ivald escreveu:

1949
  • Nasce em Campos – RJ
  • Vive em sua cidade Natal até 1966, onde começou a desenhar desde muito cedo, por influência dos pintores cubistas
1966
  • Estuda com Robert Newman
1967
  • Ingressa na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro
1968
  • Participa de manifestação sobre o surrealismo na dança espírita
1969
  • Ganha prêmio sobre dança surrealista
1970
  • Viaja pela América Latina onde estudou cores
1970
  • Desenvolve manifestação que reuniu dez mil pessoas em praça pública com movimentos de artes plásticas, música, teatro e seu casamento
1973
  • Dá aulas na Escola Documenta, formando o grupo Gral (Astarde – Lia Amaral – Gretta e Rosa)
1973
  • Faz, com Otávio Pereira, uma suíte de 22 imagens de litografias
1974
  • Lança “Procura-se”- projeto marginal
1974
  • Participa de manifestação com banda musical e distribuição de impressos – SP
1974
  • Participa de “Manifestação Veloz Man” – SP
1975
  • Envia “Impressos board e bicho verm”
1975
  • Viaja para Europa e mostra a “Mala Amarela”. Circuito de 10 galerias
1975
  • Propõe manifestação para Amsterdã “Proposicion nº 1”
  • Envia, de Paris, congratulações a L’avant Garde Bresilienne
1976
  • Viaja para Europa, envia Bordy com documentário por Seis países!
  • Cria a Granato’s production
  • Desenvolve o manifesto Plural, recusado pelo Prof. Walter Zanini, após um convite feito ao artista para uma mostra em Michigan, só aceitando o conceitual já ligado a corrente da época
  • Lança um Manifesto “Artista em busca da profissão”
  • Propõe seção devolução – 15 envios
1977
  • Scrochett. Propõe sua imagem hoje
  • “Art is myself”
  • “Adote um artista, não deixe ele virar professor”- tiragem de 2000 exemplares
  • Coleção de inverno. Proposta inversão de imagem.
  • Animação litográfica – Stúdio Tucuita
  • Produção da exposição “Os clóvis vêm aí” – Aloízio Zaluar Centro de Psicologia Moderna
  • Leitura Caos – Consciente – Controlado
1978
  • Produz os “Mitos vadios”- art performance – evento
1979
  • Produz a exposição Ziembinsky, juntamente com o Gabinete de Artes Gráficas
  • Conclui o livro 14 anos art de performance
  • Produz e participa da mostra de espaço alternativo
  • “My name is Glória” – arte cartaz
  • Edita a 1ª revista de psicodrama Fedrap, junto com Massao Ohno
  • Manifesto Beuys
1980
  • Programa de arte na televisão – produção
1981
  • Realiza Painel em Búzios – RJ
  • Edita, junto com Marcelo e Anibal, o “Peru Molhado” – Jornal de Búzios
  • Intensifica o trabalho na pintura pluralista
1983
  • Faz série de 18 desenhos que constituem o “Prêmio Sintonia”, atribuído pelo Centro de Rádio
  • “Roupa como arte” – faz 62 modelos das camisetas Vogue
  • Litografia – Arte Selvagem
  • Programação gráfica do 1º disco a cores no Brasil
  • Faz o cenário, cartaz e complementos gráficos para o show “Kaos – o novo amanhecer”
  • Organização e direção de palco do show “Kaos – o novo amanhecer”
  • Faz a apresentação do artista plástico Ivan Kudrna para a exposição do Museu da Casa Brasileira
  • Faz apresentação de Pitanga do Amparo para o Simpósio de Arquitetura e Urbanismo em Buenos Aires
  • Pintura do Painel sobre “Os Direitos Humanos”- Centro Cultural de São Paulo
  • Recebe convite para a exposição itinerante “Cor e Desenho do Brasil”, que percorreu, em 84, a Espanha, França, Inglaterra e Bélgica
1984
  • Participa da “1 Bienal de La Habana”
  • Participa da “4 Bienal Iberoamericana de Arte”, na Cidade do México em julho/agosto de 1984 .
  • Expõe na Galeria Maeder, em Munique, Alemanha.
  • Faz Performances em Munique e Balileia (Suiça) .
  • Lança os adesivos “top Secret”/ “Gaiato”/ “Moderne Kunst”/ “Ivald Granato in Performance” .
  • Entrega de prêmio aos premiados do Salão Paulista.
  • Faz capa para o jornal Folha de São Paulo – Campanha das Diretas Já.
  • Faz painel com mais oito artistas para a campanha do presidente da Nova República.
  • Vídeo colagem de alunos da Faap.
1985
  • Realiza capa de disco do Trio Elétrico.
  • Lança Bandeira – Cristal – Nova República.
  • Doação do Painel “Viva a Pintura” – M.A.M. – São Paulo/SP.
  • Doação Rio – Solidariedade ao México.
  • Pinta bandeira Fernando Henrique Cardoso – SP – Setembro.
  • Capa Veja, encarte especial São Paulo.
  • Produção Vídeo Non Plus Ultra Tudo.
1986
  • Homenagem a Picasso – Desenho – Capa da Around nº 29.
  • Faz desenhos especiais para casa. A moda vista por Granato – Capa da Folha de São Paulo.
  • Faz o ensaio fotográfico Granato Velho ( Pablo de Giulio).
1987
  • Debate jubileu de Prata – Arte e o Inconsciente – Campos.
  • Perfil – Veja São Paulo.
  • Capa do livro “Mercados e Leilões” de Julio Louzada.
  • Calendário Prológica – SP.
  • Doação de uma obra para a produção do Teatro Performance “Espelho Vivo” – baseado na obra do pintor surrealista Magritte.
  • Recebe 60 crianças da seis série da Escola Maria Imaculada no atelier
  • Participa do programa piloto eureka na TV Cultura
  • Minha Cidade – “Toques de artista nos segredos do samba” – Playboy – São Paulo.
  • Entrevista no programa de rádio da Cultura AM – as melhores músicas de sua vida.
1988
  • Fausto Silva – participação Jorge Mautner. Pintura de papel.
  • TV Mix – presença da escultura e diálogo por telefone.
  • Festa de Barcelona: Exposição Zaragoza,Gerchman, Granato, Renata Barros – Ane Curmelha.
  • Curso de aquarelas – Guaratinguetá. Centro de Cultura Rodrigues Alves.
  • Recebe convite para fazer o carnaval de Madrid em 1989 com Rubens Gerchman.
1989
  • Viaja a Europa para mostras de esculturas – Galeria Maeder – Alemanha.
  • Termina suite de gravuras em metal no atelier – Claudio X Marcelo.
  • Ilustrações para o lançamento da revista “WE”.
  • Série de porcelanas para mesa.
  • Arte em Jornal – Jornal da Tarde
  • Projeto do Painel Eletrônico (Anhangabaú) – Bienal de São Paulo.
1990
  • Participação de mesa Redonda – Futebol 90 – TV Cultura – SP.
  • Pintura de Painéis para Vídeo comemorativo dos 70 anos da Folha de São Paulo.
  • Prêmio melhor ilustrador do ano – Editora Abril.
  • Pantanal – Sete Visões – Brasília/Rio/São Paulo.
  • Participação da um Trienal de Osaka, Japão.
1991
  • Prêmio Aquisição para sua tela “Atakem” – 1a Trienal de Osaka, Japão,
1997
  • Projeto Vitrine Petrobrás.
1998
  • Produz o cheque cardápio.
  • III Mostra Nacional de Vitrines.
1999
  • “Projeto Kibom” Arte Pintura Temática, Coletiva.
  • “Projeto Telefônica” 600 gravuras especiais para lançamento da fibra ótica.
  • Viaja para Espanha para estudar a pintura do seculo XVII. E a producão contemporanea.
2000
  • Entra no acervo do Bar LE KOQ. Famoso bar de Madri aberto há oitenta anos e frequentado por vários artistas e intelectuais, com um famoso acervo de seus habitues. Pintando seu símbolo “O galo”.
2001
2002
  • Recebe em Campos sua Cidade Natal .uma homenagem da Folha da Manha.Pelo destaque da sua obra no período de 35 anos de atividade artística.

Falta de planejamento afeta todo comércio da região

morfeu colchões

Obras não respeitam afastamento ara carros em frente à loja da Morfeu, na Estrada Francisco da Cruz

O Jornal “EXPRESSÃO OCEÂNICA” de junho, com edição esgotada, publica que comerciantes e profissionais liberais da Região Oceânica de Niterói culpam e apontam a falta de planejamento e o desrespeito as classes produtoras como a principal causa da quebradeira geral que atingiu o setor durante a administração  do prefeito Rodrigo Neves (que trocou o PT pelo PV). Empresários dizem que a crise tem sido agravada com a “asfixia geral”, causada pelas obras da Transoceânica, ligando o Engenho do Mato a Charitas, passando pelo túnel Cafubá-Preventório.

Jorge Panaro, proprietário da  Morfeu  Colchões, com duas lojas na Estrada Francisco da Cruz Nunes, é uma das maiores vítimas do descaso municipal. Para sobreviver, teve que dispensar 2/3 dos funcionários que ficavam de braços cruzados por falta de clientes. Suas lojas form isoladas do público, em decorrência do trânsito interrompido. Não existe nenhuma alternativa temporária.

IMG_4181 (1)

Jorge  Panaro não aguenta mais

Agora, além do isolamento físico, a Morfeu Colchões, tradicional empresa de móveis infantis e de estilo na região, está sem luz, telefone e internet. Por conta da obra, todos os fios foram arrancados. “Acabaram comigo”, queixa-se  empresário Jorge Panaro.
– O que já era difícil ficou insustentável quando as obras interditaram minha lojas desde dezembro. Perdi a visibilidade e tive que montar uma operação de guerra para não sucumbir, renegociado  aluguéis, prazos com os fornecedores, dando férias aos funcionários até ser compelido a demitir colaboradores leais, que estavam comigo há muito tempo – lamentou.
Parano expressa o sentimento de todos empresários da Região. “Faltou planejamento e respeito à nossa classe. Todos sabíamos que haveria transtornos, mas não tanto assim. Foi interditando tudo à moda boi, sem levar em consideração que somos a maior fonte de trabalho na região. Resultado: o que estava difícil entrou em colapso por absoluta falta de clientes. Para se ter ideia da desorganização, usaram um papel ofício para sinalizar uma alternativa de trânsito para o Hospital da Unimed. Quer dizer, é uma falta de respeito geral, com todo mundo”, disse.
No momento em que concedia entrevista, Jorge Panaro era informado de outro absurdo: a Prefeitura mandou construir um meio-fio que vai inviabilizar o acesso ao estacionamento da loja na  entrada  do Jacaré.
Sem comunicação com o mundo exterior, nem mesmo as vendas por telefone e internet podem ser feitas. Panaro, como tantos outros comerciantes afetados, teve faturamento zero este mês  e não tem perspectivas  de como fará para se manter ativo. “Os bancos cobram juros extorsivos e temos que pagar. Até aqui, pudemos contar com a compreensão dos fornecedores, mas nem eles tem mais fôlego para nos atender. Não vejo a hora desse pesadelo acabar” finalizou.
Mesmo abalado com prejuízo, Parano enaltece os operários e técnicos das obras. “Eles fazem o possível, mas é tudo improvisado, na base da boa vontade  e compreensão com o nosso drama, mas eles não planejam nada, só executam”, concluiu o empresário.

Quem com o ferro fere com ele será ferido

juiz Marcello Rubioli

Juiz-Coordenador da Propaganda Eleitoral em todo Estado do Rio, arcello Rubioli

O Juiz-Coordenador da propaganda eleitoral no Estado do Rio, Marcello Rubioli, está apelando a quem navega no Facebook para identificar quem pratica abuso de poder e faz propaganda elelitoral irregular. O TRE criou uma página naquela rede social para receber denúncias contra candidatos que organizam festas, showmícios e pedem votos dentro ou fora da internet.
A ágina para denúncias é https://www.facebook.com/trerj/?fref=ts e está disponível 24h por dia. O magistrado garante o sigilo das informações. Cem fiscais estao encarregados de apurar as denúncias, que atuarão no campo fisico, virtual, rádio e televisão.
Por falta de aviso é que não será. O juiz já fez trê reuniões com os partidos idicando o que pode e o que não pode ser feito.
– Orientar e punir. Exatamente isso. Sem truculência, queremos uma eleição com isonomia. Todas as irregularidades são enviadas ao Ministério Público para que as providências sejam devidamente tomadas – declaru o magistrado.
Marcllo Rubioli disse ainda que’ “por abuso de poder político e econômico pode haver a cassação do registro dos candidatos. . Há ainda a fiscalização do financiamento de campanha que agora só pode ser feito por pessoa física e o fundo partidário”.