Archives for posts with tag: jornalismo

DONO DA LAMSA É AMIGO DE LULA –

Desculpem o perdido que lhes dei. Volto numa hora em quer sinto vergonha de minha categoria. Essa cobertura jornalística do acidente na passarela da Avenida Carlos de Lacerda (Linha Amarela) transformou-se num jabá para proteger políticos  que estão no poder por ser ano de eleição e poderosas empresas, de amigos poderosos. Não por culpa dos repórteres, que denunciam, mas suas matérias vão parar no lixo.

Na foto do Estadão (SP), a caçamba ficou levemente amassada e se desprendeu do cavalo (o caminhão), como havia de ser. A passarela foi mal feita.

Na foto do Estadão (SP), a caçamba ficou levemente amassada e se desprendeu do cavalo (o caminhão), como havia de ser. A passarela foi mal feita.

Está claro que o caminhão derrubou a passarela.

Mas eu pergunto: que droga de passarela é essa que, ao invés de despedaçar um relés caminhão, deixa-se desabar?. Que resistência tem uma passarela sustentada por parafusos? A grande verdade é que nossas intocáveis autoridades (cujo os jornalistas as defendem e lhes encobrem as vergonhas!!) fizeram uma obra de merda, suscetível a cair a um simples toque de uma caçamba.

Ora, o caminhão é que teria que sair despedaçado caso houvesse preocupação de fazer uma obra segura.

Afinal, aquilo ali é para travessia de seres humanos, para salvar vidas e não garantir que máquinas loucas tenham apenas arranhões. E os registros de acidentes e quedas de passarelas são constantes, especialmente no Rio. Um caminhão-caçamba jamais poderia ser mais resistente do que a passarela.

Agora, essas passarela de m…  que se constrói no Rio lembram as casas de palha dos três porquinhos: desabam com um sopro.

No que depender dos coleguinhas que comandam as redes (pobre de nós,. pois o  Turco, por exemplo, está no comando geral  jornalismo global, algo parecido a Xuxa no comando de uma nave espacial. Daí, não falam nada sobre responsabilidade da Lamsa, que sequer se dignou a mandar instalar uma passagem provisória para os favelados. Essa proteção à administradora da Avenida Governador Carlos Lacerda tem uma justificativa: o dono da Lamsa, José Alberto Beranger Gallo é amigo do ex-presidente Lula, atualmente presidente ad  hoc do Brasil. Olha a foto dos dois, em exultante alegria!

Até quando acidentes assim vão continuar ocorrendo? Quando se mudará a política de segurança, quando se construirá passarela capazes de destruir um caminhão e não ser destruída por ele?

Todos vimos, a passarela é parafusada, articulada, de modo a cair mesmo ao menor impacto. Mas nossos veículos de comunicação estão à caça dos vermes. Simples assim.

Em Niterói, o Vereador  está finalizando um projeto de lei que impõe condições rigorosas de segurança para que uma passarela seja construída. A matéria será apreciada quando acabar o recesso da Câmara Municipal. Assim é que se faz.

Que Caco Barcelos é mau colega todo mundo sabe. Que é um inventor de noticias também. Esperava que tivesse aprendido com o passar dos anos. Chega me dar arrepios lembrar dos momentos que juntos passamos, o X-9 da imprensa nacional. A ultima cobertura de que participamos juntos pela mesma organização foi a morte do crioulo nota 10, em Copacabana, por um policial federal. Deu em nada, claro que com uma ajudinha do Caco… Ao invés de esclarecer  que o Nota 10 do crioulo era referente às notas dez que seus sambas conquistavam, Caco fazia parecer que era uma questão de raça, que aquele negro era um nota 10. Os outros, 5,4,3…

Mas nada justifica transferir para ele o ódio que o povo sente da Rede Globo, como demonstra o vídeo que a emissora jamais irá exibir. Afinal, Caco é parte dessa história de manipulação da noticia.

São muitos os meios de comunicação utilizados pelas lcaras pintadas do Movimento Passe Livre.  Na Internet, nem tanto pelas redes sociais, mas intermédio de mensagens eletrônicas (e-mails, skipe, whats App etc),microblogs (twitter) e o velho e bom telefone para o boca a boca.

E, por ultimo, o milenar boca-a-boca, nas escolas, nos clubes, nas repartições e até nos bares.

E pensar que um dia foi assim...

E pensar que um dia foi assim…

É assim que se constrói uma manifestação vitoriosa, de troca de idéias e combinações, onde delineiam as ações. O mais importante é reunir o máximo de pessoas num só lugar, como fazíamos em 1969. Depois, via-se o que fazer.

O que todo mundo já sabe é que não adianta contar com as redes de TV e rádio. Podem até exibir imagem, mas será sempre com a intenção de manipulação.

Eles não sabem, mas é graças a Sérgio Mota (FHC) e a Fernando Collor (quanta ironia, meo deus!) que possuem as ferramentas de integração do movimento. O Brasil antes dele tinha reserva de mercado, instrumento da ditadura militar que impedia a automação das indústrias, melhor comunicação e acesso a computadores domésticos. Tinha que ser um tal de Cobra,horrível e do qual ninguém se lembra mais. Serjão Vieira e FHC foram os que possibilitaram a mudança.

E Lula, o que fez? Só atrapalhou, só atendeu aos interesses de Roberto Marinho e seus sócios japoneses.

Somos um quintal do Vale do Silício da Califórnia, onde a tecnologia da informação se popularizou. Mas Lula impôs ao Brasil atravessar o mundo, importar tecnologia do Japão só porque a Globo já havia “comprado” muito antes todos equipamentos do sistema deles lá.

Uma peça para chegar aqui dura semanas ao passo que dos USA demoraria horas. Coisa de Lula com essa TV digital ordinária, de quinta categoria, enquanto nossos vizinhos do Norte possuem tudo de bom. Quase não podemos usar o iphone   porque nosso sistema é uma merda, japonês.

São essas pequenas ferramentas, que transmitem a insatisfação geral, que propiciam  a concentração das massas. As redes sociais são apenas um detalhe.

É a mais pífia, infame e covarde a cobertura das principais redes de televisão do País das manifestações Brasil afora. É patético o esforço das rádios e TV  em querer desacreditar o movimento, tanto que nenhum manifestante capaz de expressar a vontade da massa é entrevistada ou convidada a dar entrevistas. Jô Soares, que posa de moço bom,nem sonha em entrevistar uma liderança dessas. Claro que elas existem, mas a imprensa boicota.

Então o que é esse comportamento?

Falso jornalismo, uma provocação aos manifestantes, que reagem atacando as equipes nas ruas enquanto os chefões ficam trancados em salas (ou igrejas) refrigeradas.

Primeiro, demonstrou-se que apesar delas, as manifestações reuniram milhões de brasileiros. Fez lembrar as “Diretas Já”, à qual aderiram depois que assumiu proporções  gigantescas. Sem contar os simpatizantes,que adorariam estar protestando também.

Agora, acontece o mesmo e até com justificados excessos. Nossos jornalistas executivos, os chefões,  não estão preparados para lidar com a verdade nua e crua. À  vida toda, sempre manipularam notícias, fazendo do povo a sua massa de manobra. Se dependesse da imprensa, não haveria manifestação.

Repararam que ninguém (à exceção de São Paulo)  NÃO pergunta nada ao governador Sérgio Cabral  ou ao Prefeito Eduardo Paes? Eles usam antenas e microfones para falar o que bem querem, sem qualquer objeção. Não se assiste ao repórter questionando, fazendo a voz da sociedade. Então, vão para o buraco, pois os dias dessas redes estão contatos. Enquanto insistirem em defender os crápulas,os corruptos, os canalhas que se transvertem de autoridades.

Nada é eterno. Até Roma caiu. O poderoso Império Romano do Ocidente caiu um dia, pelos bárbaros.

A falta de comando no jornalismo da Globo é evidente. A emissora vem dando destaque aos assaltos seguidos de incêndio das vítimas sem dinheiro. A rede voltou a noticiar com destaque que mais um duro foi queimado. Não tendo encontrado dinheiro, os bandidos jogaram álcool e tacaram fogo noutro dentista, agora em São José dos Campos.

Ali-Kamel é quem manda divulgar esse tipo de matéria que vai criar novo hábito nos bandidos

Ali-Kamel é quem manda divulgar esse tipo de matéria que vai criar novo hábito nos bandidos (foto da internet)

Recomenda a responsabilidade social que não se estimule esse tipo de notícia, que pode desencadear um recrudescimento dessas ações. Ao insistir em divulgar essas ocorrências, a Rede Globo está querendo criar um novo lazer para os bandidos: churrasquinho de gente.

Melhor parar por aqui antes que outras pessoas sem dinheiro paguem com a vida por não ter o que perder para seus assaltantes, pois no que depender da Polícia…. não dará em nada.

REVISTA RECONHECE, LÁ NO FINAL, QUE NÃO SABE SE É VERDADE O QUE PUBLICA

época

Do começo ao fim, as contradições da “reportagem”  da revista ÉPOCA, do sistema Globo, está mais para informe publicitário de Serginho Cabral  contra o ex-governador e atual Deputado Garotinho.

De jornalismo, eu entendo e posso garantir que a matéria não é jornalística. É UMA FRAUDE JORNALÍSTICA  Eu explico.

Os governos federal e Estado do Rio são os que devem explicações sobre os escândalos que a Época trata na louca vontade de atingir Garotinho. Como alguém consegue CINCO CPFs??? Ora, quem emite CPF não é Garotinho e sim a Receita Federal, da seara da Presidente Dilma, onde o sistema Glo0bo mama às burras. Tem que se ter muito prestigio lá dentro para ter cinco números do CPF. Por que a revista não investigou esse escândalo, se é que é verdade?

Que dizer de se fornecer carteira de identidade a alguém invisível??? Ai tem truta. Por que a revista não apurou junto ao Detran quem, quando, onde e por que alguém chega em seu balcão e tira umespelho de carteira de identidade sem sequer existir? E quem manda no Detran? O Sérginho… Bem poderia ter facilitado tudo, mas ele nem pode aparecer, né…

1 – Pois bem, na contramão da notícia,  Época já estava determinada a atingir Anthony Garotinho. Principia a “noticia”  desprezando a verdade clara, grande e cristalina para fazer um feijão com arroz, como “Passava de 8 horas da noite da segunda-feira, dia 29 de abri…”   Isso é jornalismo???  Cita que A revista revelou “um esquema de desvio de dinheiro público que envolve a família Garotinho e o PR no Rio”. Não teve a coragem de dizer que foi Garotinho. Falou em família. Não disse por que não há segurança na denúncia”,como em “Caim matou Abel”. Não resta a menor pecha de dúvida. Mas a época disse “família Garotinho”, nesse caso pode até ser Nelson Nahin, irmão da pá virada.

3 – Na tribuna, “Na tribuna, Garotinho saiu em defesa de uma empresa “. Em que termos, cara pálida, com que palavras? Não há uma frase sequer mostrando Garotinho defendendo o pilantra que vem roubando o erário federal impunente.

4 – “uma locadora de veículos próxima à família Garotinho”… explique essa proximidade, parentesco? Provaz de que é próxima não é revelada, apenas dita da boca ´pra fora.

5 – “Garotinho inovou ao colocar em cena um fantasma” – Onde está a prova de que foi Garotinho, a matéria não cita, apenas calunia.

6 – “Trabach – que, até o ano de 2012, tinha cinco números diferentes de CPF – é extremamente próximo da família Garotinho”. Como provar esse extremamente próximo? Notas de jornais, fotografias? Não existe nada. Só a intenção de aproximar o ex-governador de um pilantra que com a ajuda de alguém na Receita Federal conseguiu tirar cinco CPFs. Que escadalo!!. Citar que um patife, fraudador (com ajuda do governo federal) é extremamente próximo a Garotinho, além de ser improvável, desvia o foco daquilo que deveria ser investigado: Ministerio da.Fazenda,a Receita para que expliquem também a sonegação… Que nada, nem pensar.. o negócio é porrar  Garotinho.

PEGA NA MENTIRA – Uma hora a revista diz  que a empresa é de George (“Nos papéis da Junta Comercial, George Augusto Pereira detém 99,8% das ações da GAP, cujo nome reproduz suas iniciais”),  noutra parte cita que “Em maio do ano passado, George vendeu a GAP por R$ 100 mil, parcelados em dez vezes. A felizarda compradora foi ninguém menos que a mãe de Trabach, uma senhora viúva de 69 anos de idade”, transferiu há um ano, Qual é a verdade? A Junta Comercial do Estado, de Serginho, também ta envolvida nisso? Não transferiu a titularidade?: e se anotou, como explicar que transferiu titularidade de um fantasma? A Época  nem sonha investigar, apesar de “ As provas de que ele não existe são abundantes.” Como George conseguiu o espelho da Identidade?; quem lhe deu, como uma falsificação grosseira passou na Receita e bancos? Nada, Época mais uma vez despreza uma terrível evidência que pode cair no colo de Serginho.

Antecedentes: a revista faz uma sopa de recortes com antecedentes da pessoa a quem pertence a identidade de George ou Trabach. Mas, eles tem antecedentes? Respondem a algum processo esses patifes? Nunca saberemos, a revista nos sonegou essa informação. Quem quer saber do nada consta de Josefa? Fala sério.

“ a GAP teve o caminho livre para vencer e receber, ainda por cima, em valores superfaturados”. Se a revista tem certeza de que houve superfaturamento, ao menos deveria dizer quanto custa e quanto a prefeitura pagou, pois o TCE não viu isso não.

PEREGRINO – Época não sabe o que é coisa julgada e ato jurídico perfeito. A prestação de contas de Peregrino foi aprovada ao ser analisada pelos fiscais do TRE (ato jurídico perfeito) e depois julgado pelo Tribunal (coisa julgada) sem restrição. Na hipótese de reabertura do processo, Época (que tem um grande corpo jurídico na sua redação) sabe que Peregrino será chamado para esclarecer e lhe bastará informar que houve um equívoco, junta o esclarecimento, trocando carros por combustível e pronto. Mas a revista quis dar ao fato uma idéia que é um erro insanável. Francamente!

Lá no finalzinho a prova de que a revista não tem certeza, não são verdadeiros os termos dessa matéria-estardalhaço ao dizer “Há duas possibilidades. Ou Garotinho foi enganado, provavelmente por Trabach, e desconhecia que George é um fantasma – ou sabia de tudo e mentiu ao plenário”.

Puta que pariu! (me desculpem), a revista confessa que tem  dpuvida e ainda assim publica sua dúvida como se fosse verdade, coloca chamada de minuto a minutop na CBN, na Rádio Glono dando a entender que Garotinho é um pilantra desclassificado, ladrão, e tudo mais mesmo sem ter provas..

Repito, não tenho procuração para defender Garotinho, por quem não morro de amores. Mas a Globo, na tentativa de nos empurrar Pezão goela abaixo, quer desmoralizar aquele que lidera as pesquisas de intenção de votos.

Não é novidade, mas ficou pior, mais descarado. Todos os noticiários da Rede Globo dão a entender que a mistura de água, soda cáustica, uréia e tudo mais no leite do Rio Grande do Sul não é feita nas fábricas de laticínios. Trata-se de uma vergonhosa proteção jornalística à indústria, jogando a culpa nos mais fracos. É assim o jornalismo de Ali Kamel no comando da Globo.

CXom o Turco Ali Kamel o que era ruim ficou pior

Com o Turco Ali Kamel o que era ruim ficou pior


Por essas e outras que tudo que é divulgado, como o noticiário sobre o pastor-estuprador, é tratado como mentira, “pressão da mídia” contra um homem de Deus.
Quando se protege os poderosos e acusa os mais fracos na cadeia produtiva do leite, como os fazendeiros e transportadores, o sistema Globo põe em dúvida todo seu noticiário. Tudo mais está sujeito a ser chamado de mentira, pois não entra na cabeça de ninguém que as fábricas não analisem o leite que recebem.
O resultado desse protecionismo é o descrédito, a falta de confiança do ouvinte e leitor.
Então, a cava vai pro brejo com leite e tudo.

Há uma ordem expressa no Sistema Globo: não exibir, não informar (a menos que seja a morte) absolutamente nada sobre os ex-governadores Anthony e Rosinha Garotinho.

Uma covardia  jornalística, uma irresponsabidade social, no que a Globo é craque, sonegar informações e publicar  apenasse for para  aniquilar lideranças que se ameaçam seus planos de dominar o Estado do Rio de Janeiro. Melhor dizendo, o tesouro do estado e prefeituras.

Na Capital, é sabido que a Globo defende o indefensável, Sérgio Cabral e Eduardo Paes. Prova disso são as dezenas de mortes na Serra, que a Globo insiste dizer que a culpa é dos mortos, como se em Petrópolis, Teresópolis e Friburgo houve outros lugares que não sejam escarpas de montanha para se construir e morar.

Pessoas sofrem no trânsito (hoje o pior problema da Região Metropolitana),  morrem nos hospitais por falta de médicos  e medicamentos, a dengue grassa por toda parte, mas os veículos globais só noticiam casos nas cidades cujos governantes sejam ameaça aos planos de conquista e poder do sistema. Na Capital, sempre dá um jeito de culpar a população.

Antes, Sérgio Cabral foi apoiado pelos banqueiros do jogo de bicho do Rio, com receio de que Denise Frossard, a juíza que os condenaram,  pudesse ganhar (e poderia) o governo do Rio. O mandato caiu no colo de Cabral, aquela altura apoiado também por Rosinha e Garotinho. E a generosidade do Globo jamais noticiou.

A Globo não deu nada sobre a mobilização dos campistas contra a gatunagem dos royalties. Pelo contrário, noticiou os efeitos, os engarrafamentos,  tripudiando  sobre uma reação lógica e sincera. Isso não é jornalismo, é campanha eleitoral.

A Globo tem pesquisa de opinião que demonstra que seus apaniguados perdem a eleição, mas não tem coragem de publicar, pois dá Rosinha em primeiro e Garotinho em segundo e seus cupinchas lá longe. Muito pelo contrário. De posse dessas informações,, abre espaço para  prejudicar os ex-governadores, em cujo cocho tanto mamou  (de fartar).

Antes, era apenas a figura de doutor Roberto Marinho que assombrava a cena política e empresarial brasileira. Agora, são todos os filhos e netos, igualmente capazes de maquinar “estratégias e gestões” sem o menor escrúpulo  e muito menos levar em conta sua responsabilidade social perante a nação.

É por isso que, nos golpes de estado, os revoltosos assumem logo as principais redes de televisão, pois é dali que manipulam a opinião pública.

Pensem nisso.

Bombeiros trapalhões de Santa Maria/RS recebem “ajudinha’”  da Rede Globo

Estava mais do que evidente o comprometimento do Corpo de Bombeiro de Santa Maria com os donos da  boate assassina, quando o telejornal “Bom Dia, Brasil”, da TV Globo, publicou matéria em que um ex-segurança acusa um dos donos de “cuidar” dos bombeiros e prefeitura. Vejam aqui

No domingo, a mesma Globo entrevistava o Coronel Guido Comandante dos Bombeiros gaúchos (vejam aqui), que jactava: haveria uma apuração do CB paralela às da Policia, uma perícia feita por eles; que a casa estava regular, com licença vencida em dezembro de 2012; que havia saída de emergência e tudo estava em ordem na boate.

Só faltou dizer que Madre Tereza de Calcutá era sócia da casa da casa…

Chico Pinheiro

Caipira Chico Pinheiro

ana luiza

               Ana Luiza  guimaraes

Diante dessa reação, os decaídos “repórteres” da Globo no domingo  (um jodoca e uma surfista) ficariam numa saia justa. Natural, não são do ramo. Mas hoje (29/01), no Bom Dia, Brasil o repórter caipira Chico Pinheiro e Ana Luiza Guimarães foram protagonistas de  outros escárnios (vejam aqui). Primeiro, não fizeram perguntas objetivas ao delegado que apura o caso sobre o sumiço dos  computadores que gravavam tudo na boate, que fim levaram, se foram encontrados nos destroços, se seria possível que tivessem sido levado do local pelos próprios bombeiros..  O delegado chegou que as câmeras ligavam o nada a lugar nenhum, que nahia computador na casa. Eu não acredito.

Depois, o porta-voz dos Bombeiros, major Gerson da Costa Pereira,  para livrar a cara de corporação, culpou os “operadores” dos extintores de incêndio por que eles não funcionaram. E o que fez a dupla caipira Renata e Chico “Bento” Pinheiro? Nada. Só faltou bater palmas para os entrevistados. O major chegou a dizer  que os bombeiros fixam a quantidade de  portas de emergência e os donos cumprem se quiser.. e ainda ganham o alvará? Nunca saberemos, nada foi perguntado.

Para o major, acionar um extintor é algo complexo demais para quem não é bombeiro. E o pessoal da Globo não objetou. O entrevistado só faltou mandar seus entrevistadores à merda, que estaria tudo nos conformes. Ana Luiza ainda esboçou uma reação diante da inércia do caipira Chico Pinheiro, mas foi rechaçada com violência pelo major, que a essa altura está festejando, rindo da cara dos dois.

Por que não mandam o André Luiz Azevedo entrevistar ele? Quero ver fazerem isso com André ou uma Fátima Bernades… mas a Globo não tem comando em matéria de jornalismo, regride a cada incursão.

O major desmentiu seu superior  ao dizer que o CB não faria perícia paralela e nenhuma apuração, que isso caberia exclusivamente à Policia Civil. E ninguém retrucou. Pelo contrário, depois de permitir que o major fizesse comercial dos bombeiros gaúchos em rede nacional, o Jeca Pinheiro ainda agradeceu várias vezes na tentativa de fazer o entrevistado parar… piada.

Assim como tem consultores  em várias atividades, a Rede Globo está precisando com urgência de um consultor em jornalismo, pois equipe é muito fraquinha, da direção à apuração.

Talvez por vergonha, a entrevista ao  majoir nem foi publicada no site do “Bom Dia, Brasil” de hoje. Assim, ninguém poderá comprovar o que eu digo. Quem sabe não esteja no RBS..

Ah se fosse o Renato Machado”. Aquele majorzinho não ia se dar bem não, teria que se explicar melhor, ainda mais ao vivo.

No dia que invadiram meu modesto blog, fizeram desaparecer uma matéria que escrevi sem cópia, direto no processador de texto do WordPress.

Versava sobre a péssima qualidade do jornalismo da Rede Globo, inspirado por Carlos Henriques Schroder. Uma escola de jornalismo como a Globo, à qual serviram mestres do quilate de  Armando Nogueira e Evandro Carlos de Andrade, virou pré-escola.

À mais recente constatação desse declínio assistimos todos os dias nos noticiários da rede, que incluem os canais a cabo. Dentre tantos descalabros, eu destaquei a péssima qualidade da cobertura do Caso Bruno, o goleiro do Flamengo.

A Globo levou o Brasil a acreditar que Macarrão, amigo do goleiro, assumiria a culpa da morte da modelo Elisa só para livrar a cara de Bruno. Meses antes, havia chegado ao absurdo de divulgar que Macarrão  era gay (e passivo) tinha caso com  Bruno, abrindo os caminhos para uma sucessão de especulação sem fim.

Só esqueceram de combinar com Macarrão.

No dia do depoimento, a Globo não teve medo de especular ainda mais. Nem mesmo o advogado de Macarrão foi  procurado para falar.

Então, quando a verdade foi revelada; quando Macarrão fez revelações bombásticas que a equipe de Schoder nem ligou,  continuaram mentindo. Todos os telejornais noticiaram que houve uma reviravolta no caso, que Macarrão enfiou até o talo a  culpa no Bruno.

Que reviravolta foi essa?

Não houve reviravolta alguma. A escola de jornalismo do Schroder recomendou que dissesse que houve uma “reviravolta” para acobertar o erro da equipe. Não tiveram a dignidade de pedir desculpas ao Brasil pela falta de responsabilidade no trato com a notícia. Continuaram mentindo, pois dizer que houve reviravolta foi mentira.

Não tiveram respeito nem humildade de pedir desculpas aos colegas de outros veículos (rádios, jornais etc) que embarcaram na onda, pois a Globo é uma fonte de excelência.

Houve, sim, um fato novo, desprezado pela Globo, como tantos outros.