Archives for posts with tag: poluição

Maior poluidor de Niterói dá R$ 600 mil para chapa que tem  PV e presidente da Feema

Prometi que falaria sobre Zeca Mocarzel, mas algo me soltou aos olhos: o rio de dinheiro que move a campanha de Rodrigo Neves para prefeito de Niterói e de seu vice, ex-Presidente da Feema, a quem cabe fiscalizar as sujeiras da sua maior doadora.

Rodrigo Neves homenageia o presidente da maior poluidora de Niterói, seu maior doador.

Sabem quem está bancando essa campanha milionária?  Empreiteiros e donos de estaleiros. É o que indicam os registros de prestação de contas do TSE.

Enquanto Felipe Peixoto arrecadou apenas  R$ 278 mil 600, Rodrigo Neves está nadando em dinheiro: R$ 1 milhão 553 mil 100. A brutal diferença está na quantidade de doadores.

Grael, presidente da Feema, a quem cabe fiscalizar seu maior doador

Enquanto Felipe Peixoto só tem dezenas de  pessoas físicas, Rodrigo Neves é bancado por poderosas construtoras. Só do diretório nacional do PT vieram exatos, até 31 de agosto vieram R$ 552 mil 500, mais do que o total de Felipe.

O restante veio do Estaleiro Mauá, com R$ 200 mil, Masterpav Construtora, com R$ 150 mil;  STX OSU de Niterói, com R$ 50 mil; UTC Engenharia, com R$ 600 mil; e uma certa Roseli Ferraz, que deu cem reais.

Qual o interesse da UTC, Estaleiro Mauá e outras construtoras na eleição de Rodrigo Neves? Por estão sendo generosos apenas com Rodrigo e desprezando os demais?

Ai tem.

A UTC não tem sido tão generosa com seus empregados, aos quais deu um aumento de apenas  8%, aceitos pelo sindicato dos metalúrgicos, historicamente manobrado pelo PT. Agora, só falta saber quanto a UTC pagou em imposto à Prefeitura…

UTC em Niterói só não é generosa com seus funcionários aos quais só deu 8% de aumento

Vale lembrar que a UTC é uma das maiores  poluidoras da Baía de Guanabara e sempre arruma licença da Feema, comandada pelo vice  Axel Grael, plantado no cargo pelo próprio Rodrigo e  Carlos Minc.  Que coincidência.. Vou começar a levantar a vida desse Grael e sua gestão à frente do Meio Ambiente de Sérgio Cabral.  Melhor cuidar disso e esquecer Zeca Mocarzel, por enquanto…

Dona Cremilda, minha vizinha, coitada, gostaria que Rodrigo explicasse isso no horário eleitoral. Vai morrer esperando..

Anúncios

RACHADURA NO FUNDO DO MAR COMPROVA BARBEIRAGEM DA PETROLEIRA

Estou em Campos, terra do açúcar, do petróleo e da mentira.

Não acredite  que as passagens aqui custem apenas um real. É só para quem é eleitor na cidade. O negócio é para beneficiar o público interno, os eleitores  que votam aqui. Forasteiros, ainda que de cidades vizinhas ou do mesmo território estadual, não tem direito, o que comprova farsa e caracteriza a compra indireta de votos tendo em vista a propaganda que a prefeita faz. Outros brasileiros pagam a “tabela cheia”, uma tarifa escorchante que a Prefeita instituiu aqui.

Mas não é disso que eu queria e vou falar.

Na década de 70, ocupei-me da cobertura jornalística das prospecção  e exploração de petróleo na Plataforma Continental, aqui pertinho da costa de Campos. Acidentes ocorriam em profusão, um atrás do outro, ceifando vidas que eram contabilizadas a menor, especialmente de filipinos que lá trabalhavam. Até que ocorreu a explosão da Discovery, um navio-sonda alugado pela Petrobrás. Meu jornal, O Fluminense, abriu manchete: “Petróleo é Sabotado – repórter Paulo Freitas disseca tudo”. E todos os jornais e revistas do país vieram atrás.

Olhando assim, até parece que meu editor quis me prestigiar. Mas na verdade jogou-me às feras da ditadura militar, como se dissesse (e disseram): – fomos nós não, foi o Paulo Freitas, peguem ele, a culpa é dele.

Considero aquele episódio como um divisor de águas, pois desde então os acidentes rarearam, deixaram de ser constantes e de abarrotarem a Casa de Saúde de Macaé de mortos e feridos.

As provas da sabotagem caíram no meu colo como que por acaso.

Hoje, aqui nesta mesma cidade, converso com pessoas que trabalham na plataforma continental e o comentário é um só:  a Texaco (eu prefiro chamar a Chevron por sua marca mais famosa)  tentou furar a camada do pré-sal e deu a maior merda. Daí, esse vazamento medonho, o óleo saindo das entranhas de terra numa rachadura quilometral. Segura que eu quero ver!

E o governo vem falar em multar a Texaco americana em apenas 50 milhões… Isso não paga nem um milésimo de por cento dos prejuízos causados. E as prospecções que outras empresas estão fazendo, como ficam? Essa multinha equivale  um grão de areia do mar enquanto o prejuízo afeta o planeta.

Nenhuma petroleira no mundo tem  condições nem detém mais tecnologia para explorar o pré-sal do que a Petrobrás. Muito menos a Texaco, que percebendo que aqui é terra de ninguém (pelo menos é o que parece),que  só usa estrangeiros nas suas plataformas (é raro encontrar aqui um brasileiro que trabalhe lá) e não sofre a menor fiscalização. Estimulada pela omissão brasileira,  a Texaco se achou no direito de ir além e tentar extrair o óleo do pré-sal. Deu no que deu, uma lambança incontrolável que a Texaco diz ser um vazamento de nada, de poucos barris, quando na verdade são milhares.

A terra sangra petróleo no fundo do mar. Óleo bom, de altíssima qualidade e valor comercial, coisa que só tem mesmo no pré-sal. Só o governo do PT não enxerga ou não quer ver.

Extrair óleo do pré-sal, dizem os técnicos, é fácil. Tal qual construir uma bomba atômica, cuja fórmula está disponível em vários sites na internet  (a Al Kaeda  tem um site só para ensinar a fabricar  bombas). Mas não é para o bico de qualquer um… menos ainda da Texaco, que está entrando nessa de Brasil  agora.

De uma coisa eu tenho certeza: no final, eles se acertam. Perdem um tanto aqui e ali, mas enchem as burras de dinheiro.