Archives for posts with tag: Superporto do Açu

Eike Batista está quebrando. E com ele vão descendo a ladeira o complexo do Porto do Açu, a produção de petróleo e outros investimentos. Demissões em massa estão ocorrendo tanto no grupo X quanto nas empresas terceirizadas.

Rico que não ri à toa, Eike anda cabisbaixo e macambuzio.

Rico que não ri à toa, Eike anda cabisbaixo e macambuzio.

Diante da incerteza (há quem diga que Eike perdeu metade do seu patrimônio), o bilionário brasileiro está empenhado em outros segmentos, como serviços públicos, como marinas, estádios e até lanchonetes.

Uma coisa é certa: quando Eike quebrar, ninguém terá condições de tocar o que sobrar do Superporto e  o Norte Fluminense pode se transformar num imenso cemitério. São João da Barra será riscada  do mapa, pois em nome do progresso praticamente acabou com sua maior atividade econômica: a agricultura. Os agricultores de ontem são os favelados de hoje, expulsos de suas terras a toque de caixa e sem remuneração, por ordem de Sérgio Cabral.

Anúncios

Desde que  presidente Lula escolheu a Restinga de Guaxindiba para sediar o pólo petroquímico do Rio que eu venho advertindo… Se tivesse escolhido uma área em Campos, não teria esse problema. Lula desprezou até uma lei estadual, de autoria do deputado Barbosa Lemos e sancionada por Marcelo Alencar, determinando que o Comperj fosse na localidade da Serrinha, em Campos, próximo a Quissamã, Carapebus Macaé, que compõem a Bacia de Campos.

Futura morada de caranguejos. Obras estavam adiantas

Optou, arbitrariamente, sem respeitar a lei estadual, pela Restinga da Marambaia, em Itaboraí, área não edificante. Agora, acertadamente, a Justiça embargou a obra. A Petrobrás garantiu que vai honrar todos os compromissos, mas não diz que se vai embarcar no que diz a lei estadual, indicando a Serrinha de Campos como local certo.

O fato é que se fosse em Campos, poderia utilizar a logista do Porto de Imbitiba, em Macaé. Agora, há a alternativa do Superporto do Açu. Só não mudam se não quiserem.

Com o fechamento do Comperj, 23 mil trabalhadores estão de braços cruzados