Archives for the month of: Abril, 2016

Acabou-se o que era doce: a paz e tranquilidade dão lugar ao medo e desengano

fAZENDINHA

Ilza Barbosa (esq) explica propósitos ladeada por outros líderes comunitários

Moradores do Residencial Fazendinha, no Cafubá, que sofrem com as obras da Transoceanica e dos tuneis para Charitas, estão se mobilizando para enfrentar “um futuro sombrio e incerto” quando a obra estiver concluída. Reunidos na AABB, os integrantes do projeto “Vizinho Solidário” aprovaram um elenco de prioridades que precisam ser solucionadas.
Para se ter uma idéia da falta de respeito cm os moradores, as explosões para abertura dos túneis chegaram a ocorrer mais de 20 vezes por dia, indo até às 23h30min, com movimento constante de caminhões pelas ruas do condomínio. Hoje, as detonações estão reduzidas a apenas uma por dia.
– Fui reclamar e o engenheiro me disse que lei do silêncio não existe. É assim que nos tratam – queixou a moradora Ilza Barbosa, uma das líderes do movimento.
Uma coisa ficou evidente na reunião do Vizinho Solidário: a união dos moradores. Mesmo desprezados pela diretoria da Associação de Moradores da Fazendinha – AMAF- e pelo Comitê de Obras criado para representar a comunidade junto às construturas e Prefeitura, os vizinhos solidários não desistiram. Soltaram manifestos reclamando providencias, fizeram romarias nos órgãos públicos, passaram por constrangimentos e dissabores, mas não desistiam. O resultado é animador: mais de 120 famílias estão cadastradas e atuantes por meio de WhatsApp.
Na reunião de quinta-feira (28/4), os vizinhos aprovaram um Termo de Compromisso que servirá de base para um Termo de Ajustamento de Conduta – TAC – a ser proposto ao Ministério Público. Dentre as prioridades formuladas está a instalação de uma cabine da Policia Militar ou Guarda Municipal nas proximidades do tunel. Além de dar segurança aos moradores também evitariam a ocupação desordenada, que se articula no Morro do Preventório.

SITIANTES QUEREM PROTEÇÃO E RESPEITO

dona maria

Dona Maria e o esposo receberam a garantia de apoio dos Vizinhos

Também estiveram presentes à reunião parentes dos mais antigos moradores do lugar, conhecidos por Sebastião e Sabará, além de dona Maria das Graças, legítima proprietária de terras no entorno dos túneis. Marisa Sabará explicou que não existem ocupações novas, apenas as moradias dos patriarcas, seus filhos e netos que ali se estabeleceram.
– Eu comprei minhas terras, paguei por elas e ainda não fui procurada ara receber indenização para a abertura da estrada e dos túneis – protestou dona Mara das Graça, que obteve o apoio do movimento. “Eles são nossos vizinhos e merecem toda nossa consideração e apoio”, disse Larissa Viot, outra líder do movimento.
Os sitiantes denunciaram que bandidos armados são vistos com frequência descendo do Preventório através de trilhas abertas na mata. Moradores que faziam footing na mata chegaram a ser ameaçados por bandos armados. O receio de todos é que a ameaça de ocupação do entorno dos tuneis seja apoiada por traficantes do Preventório. Por enquanto, os próprios moradores estão vigilantes para impedir a favelização.
Na próxima quinta-feira, os vizinhos solidários voltarão a se reunir na AABB, esperando contar com a presença da direção da AMAF e do Comité das Obras, instituído por decisão de Audiencia Pública.

Anúncios

Em toda orla, só em Niterói o mar arrebentou com calçadão

calçadão

Obra não resistiu a uma breve ressaca em Piratininga

Dinheiro jogado fora! Não demorou muito para o niteroiense descobrir que a administração do prefeito Rodrigo Neves, petista convertido ao PV, realizou uma obra de fachada no Calçadão de Piratininga. Uma marolinha à toa, botou tudo abaixo e muito mais, enquanto em outras cidades o mar não destruiu nada. No Arpoador, onde as águas invadiram a avenida, está tudo intacto.
A falta de qualidade das obras no Calçadão de Piratininga, que custaram fortunas aos cofres públicos, é visível. Cinco quiosques estão interditados, dois ameaçam desabar e outros estão também correndo sérios riscos. Ruiu tudo que havia sido reformado.

piratininga

Quiosque quase foi levado pelo mar

A saída para o Calçadão seria a construção d gabiões, iguais ao que o engenheiro Zeca Mocarzel construiu na praia da Boa Viagem, no Ingá, no primeiro governo de Jorge Roberto Silveira. Consiste num muro de pedras envolvidos por uma gigantesca malha de aço, capaz de suportar grandes impactos.
Com as pedras que estavam sendo retirada no tunel ligando Charitas ao Cafubá, que ninguém sabe pra onde vão, já poderia estar concluido grande parte do gabião. “Trata-se de uma obra relativamente barata se houver pedra em abundância”, previu Mocarzel na época.
Não fossem os gabiões da Praia das Flechas, o mar teria destruido a pista que sobre e desce para o Museu de Arte Contemporanea de Niterói.

sala

Nova sala de reuniões da Câmara

A Câmara de Vereadores de Niterói entrega nesta quarta-feira (27/04), às 15 horas, a nova sala de reuniões das comissões permanentes, uma nova galeria de exposições e um elevador que dará acesso ao segundo pavimento do histórico prédio do legislativo municipal. A solenidade de entrega acontece às 15 horas e homenageará os ex-vereadores, Carlos Alberto Magaldi e Carlos Augusto Bittencourt (Gugu), ambos falecidos no ano passado.

bagueira

Presidente Paulo Bagueira

“A atual legislatura, dando prosseguimento ao projeto de modernização e manutenção do patrimônio histórico e qualificação dos serviços oferecidos à população e aos vereadores para melhor desempenho das funções, entrega esses novos espaços e equipamentos ao público”.

Para facilitar o acesso dos contribuintes e funcionários ao segundo piso será inaugurado o elevador, antiga reivindicação das pessoas com deficiência. Na saída do elevador começa a funcionar o corredor cultural e galeria Vereador Carlos Augusto Bittencourt, o Gugu. Ali será aberta ao público a exposição de fotografias de Paulinho Muniz, retratando as obras do arquiteto Oscar Niemeyer construídas em Niterói.

Outra melhoria entregue à população serão as obras de reforma e revitalização do Salão Nobre Aluízio Albuquerque Silva do Valle. O espaço teve todo o madeiramento restaurado em sua forma original, com pintura do teto, manutenção das luminárias e restauração do assoalho.

Fechando o pacote será aberta a Sala de Reuniões Vereador Carlos Alberto Magaldi. Ali serão realizados encontros das comissões permanentes, reuniões de vereadores e recepção a autoridades diversas para trabalho. “O elevador era um compromisso da minha administração, demoramos um pouco por conta da aprovação dos órgãos ligados ao patrimônio histórico. Vai facilitar o acesso aos setores administrativos do segundo andar e ao salão nobre. A sala de reuniões vai dar mais conforto e dinamismo aos vereadores e convidados. Magaldi e Gugu, que dão nome aos espaços, foram pessoas marcantes na história dessa Casa e na vida de toda a cidade”, conta Bagueira.

Reunião será nesta quinta, 28/4,  às 20 horas, na AABB da Fazendinha

vizinho

Cansados de tomar na cara, moradores do Cafubá, em Piratininga, querem impedir que o que já é ruim piore ainda mais. Ninguém  aguenta mais o descaso, a falta de planejamento e respeito com a comunidade. Desde que começaram as obras dos túneis ligando Charitas ao Cafubá a vida de quem mora no Cafubá virou um inverno.

A ideia é implantar um programa de “Vizinho Solidário”, através do qual pretendem defender direitos básicos. “Nós fomos surpreendidos e desrespeitados com essas obras. Queremos melhorias, porém com o mínimo de trantsornos. Não é oue está acontecendo no Cafubá”, reclama a professora Valéria Bittencourt, líder comunitária em Piratininga.
– Em toda parte onde a Prefeitura faz obras observamos que não há planejamento para minimizar os transtornos que toda obra causa. Tanto no Cafubá quanto na Estrada Francisco da Cruz Nunes, a bagunça é geral. O Cafubá vai reagir a esses desmandos e se unir em torno de suas necessidades mais urgentes- completou Valéria.

viin
Outra  líder comunitária, Larissa Viot, reclama da falta d diálogo com o moradores. Ninguém conseguiu entender a utilidade de uma gigantesca galeria de águas pluviais na antiga avenida 6, do DPO à rótula do Cafubá sem seguir para desaguar na Lagoa de Piratininga.
– De repente, nossas ruas receberm o tráfego de caminhões pesados, destruindo o piso. Quando isso acontece, ao invés de recupear, mudam o intinerário e vão dstruir outras ruas. Se tivessem preparado trechos para receber esse trânsito o impacto seria menor. Precisamos nos previnir contra os impactos causados com essas obras e o quanto esse tunel vai interferir em nossas vidas. É para isso que estamos covocando os moradores para defender nossos direitos.
O Fazendinha é um sub-bairro de Piratininga, assim como o Cafubá. É uma região turística, onde não há construções verticais. Lá era baixo o indice de violencia. Mas não tem violência maior do que a falta de respeito da Prefeitura com os moradores.

DESCASO TAMBÉM COM O JACARÉ

valéria

Professora Valéria Bittencourt, líder comunitária

A líder comunitária Valéria Bittencourt d. “enunciou também o descaso com os moradores do Jacaré. “Os moradores ao obrigados a caminhar por quilometros ara chegar ao ponto de onibus. Para piorar, a Prefeitura retirou o ponto em frente à Moreu Colchões e botou um guarda para impedir a parada. Os moradores tinham que caminhar ainda mais, até o Barravento para pegar um õnibus para o centro”, denunciou Valéria..

Só a ameaça de botar fogo nos onibus levou a Prefeitura a criar uma alternativa para o Jacaré, retornando o ponto anterior. “O ideal é que houvesse uma linha d ônibus que parasse no jacaré, como existe em Itacoatiara, onde mora menos gente e tem demanda menor”.Para Valéria, “há uma inversão de valores nessa politica, pois morador de Itaquatiara raramente anda de ônibus enquanto que no Jacaré quase todo mundo anda em coletivo”.

Coletivo seguia no sentido Icaraí e o carro procedia da Amaral  Peixoto.

Um acidente com um ônibus da Viação Araçatuba (inha 47-B) e uma camionete em frente à estação das Barcas, em Niterói, está atrasando a volta pra casa de milhares de niteroienses.
O Corpo de Bombeiros interditou a área. Onibus trafegava em direção a Icaraí e a camionete procedia da Avenida Amaral Peixototo. O motorista do utilitário saiu feriado e o trânsito está péssimo no local.

Com o impacto, camionete  foi jogada contra o canteiro central.

Amor com amor se paga!

Rodrigo Neves (ex-PT e agora PV), este ano, já fez um termo aditivo de R$ 37 milhões para Construtora Constran, do delator Ricardo Pessoa.

rodrigo neves e pessoa

Prefeito Rodrigo Neves e lgo atrás Ricardo Pessoa, dono da UTC que é dona da Contran, maior financiador da campanha do prefeito de Niterói (foto da internet)

A obra dos tuneis da Rodovia Transoceânica de Niterói, orçada em R$ 310 milhões, já teve este ano um aditivo de R$ 37 milhões e 98 mil para “restabelecer o equilibrio financeiro da empresa”. Ou seja, imprevistos elevaram o custo acima da avaliação. Com o aparecimento de um infiltração, vai exigir muito mais dos cofres públicos. O prefeito Rodrigo Neves, como sempre, não deu respostas às perguntas que formulamos por sua assessoria. As obras são financiadas pelo BNDES com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC-2.
Os túneis e o BRT transoceânico, por coincidência, estão sendo construídos pela Constran, de Ricardo Pessoa, preso na Lava-Jato, que foi o maior financiador das campanhas de Rodrigo Neves. Em delação premiada, Pessoa disse que as doações para Rodrigo eram “investimento”. Eis que por obra do destino a empresa de Ricardo Pessoa foi a vencedoa da licitação.
A paz voltou a imperar no lotemento Fazendinha, no Cafubá, onde estão sendo perfurados os túneis da Rodovia Transoceanica de Niterói. Moradores estão há ceca de duas semanas sem ter o susto das explosões dentro da rocha, que sacode suas casas. Do lado de charitas há quem diga que não arou e continua a todo vapor.
Os moradores da Fazendinha estranharam quando caminhões deixaram de circular freneticamente pelo bairro, levando escombros do túnel. Também não se ouviram novas explosões. ” A ultima foi terça-feira da semana retrasada, feita pelo prefeito pessoalmete. Segundo os operários, está jorrando água da rocha”, disse uma moradora do local que pediu anonimato.

Construtura sabia que  ondas poderiam  derrubar passrela e assumiu o risco mesmo

cilovia

Construtora sabia que onda quebrava alto na ciclovia e largou pra lá

Houve erro de projeto e fiscalização das obras da passarela-ciclovia que desabou ao longo da Avenida Niemayer, no Rio. A conclusão é de especialistas entrevistados pela imprensa.

Nos ultimos anos, muitas obras apresentaram problemas no Rio de Janeiro, como o Estádio Engenhão, a Cidade da Música, o BRT transoeste, a Vila do Pam,  e mais recente o desabamento do teto do Hospital Rocha Faria e agora a queda da Ciclovia Tim Maia, que deveria ligar o Leme ao Pontal.

Explosão fez brotar água da rocha e inundou tudo. Agora vai engolir mais verba

tuneis
A ultima explosão ocorreu numa festa do Prefeito Rodrigo Neves, que acionou o gatilho

Uma infiltração interrompeu as obras dos tuneis Cafubá-Charitas e está exigir um aditamento do contrato, sob pena de atraso nas obras. A informação é de um técnico que trabalha na escavação. As explosões nos túneis tem provocado também deslocamentos que secaram vários “olhos d’água” no Morro da Viração, onde estão concentrados os trabalhos. Os moradores vizinhos terão algum tempo de sossego.
Do lado da Fazendinha, no Cafubá, pelo menos três fontes secaram. Nas ultimas explosões, foi aberta uma fenda por onde estaria jorrando muita água. “Ninguém pode saber, mas a recuperação desse vazamento vai tomar mais tempo e dinheiro. Agora, está dependeno de mais um aditamento, que vai encarecer a obra”, declarou a fonte.
Apesar de tudo, não haverá atraso no cronograma, pois a empreiteiro deverá aumentar a carga de trabalho.
Enviamos ao Prefeito um questionará sobre a questão e até o momento o prefeito Rodrigo Neves não se pronunciou. A imprensa que o

Mutidão pró-impeachmen é esperada hoje em Niterói

 

Rayol (Dir.), Felipe Peixoto e Serafini , acima;  Rodrigo Neves (Dir.)   e José Seba, abaixo

 

Organizadores estimam que 50 mil pessoas participam hoje da manifestação pró-impeachment na praia de Icaraí, em Niterói. Todos os pré-candidatos à Prefeitura de Niterói qurem o afastamnto de Dilma, menos o prefeito Rodrigo Neves, que não respondeu às perguntas que foram enviadas à s

ua assessoria. José Seba quer a saida de Dilma e novas elições já. Flávio Serafini não respondeu os e-mails e-mailsi e nem foi encontrado, mas seu partido, o Psol, já se declarou contrário.
O delegado federal Antonio Rayol, do PSDB, estará na linha de frente das manifestaçõe de hoje em Icaraí. Em suas páginas das redes sciais, Rayol defende abertamnte o impeachment e faz pesadas críticas ao prefeito Rodrigo Neves.
O pre-candidato do PSB, Felipe Peixoto, lembra que seu partido vai votar a favor do impeachment da Presidente. “Quem não deve não teme. Que Dilma seja julgada da acusação que está sendo imputada. Se for declarada culpada, terá que responder por isso sem contemplação”, disse.
José Seba não é contra nem a favor, mas defende novas eleições, como pensa sua líder nacional, Marina Silva, que lidera as pesuisas ao lado de Lula

Boato que ganhou  na Megasena atiçou a cobiça dos traficantes

ciclone

Ciclone teria crescido o olho na suposta bolada da Megasena

Uma brincadeira de mau gosto pode ter causado a morte do aposentado João Bosco, de 83 anos. Parentes do traficante Ciclone, morto por ordem do tráfico no Viradouro, disseram que correu um boato que o idoso havia ganhado uma bolada na megasena, o que teria estimulado o ataque. Há hipótese de que os bandidos teriam sequestrado o aposentado para obter o máximo de dinheiro possível, mas a família nega e dizendo que Bosco nunca ganhou em loteria.

idoso

João Bosco não ganhou nada

Em versão, não confirmada pela polícia, circula na comunidade do Viradouro, Ciclone e seus comparsas, que não tiveram a preocupação de esconder a placa do carro usado no sequestro (meio determinante para solução da Polícia), acreditavam que Bosco estava “nadando em dinheiro” do prêmio. Não satisfeitos, os marginais, sem um níquel da vítima, resolveram matá-lo no Parque da Cidade. Não fosse a colaboração de um dos envolvidos, talvez a polícia não conseguisse localizar o corpo e dar a família para que fizesse um enterro cristão.

João Bosco havia sido levado no dia 2 de abril depois de sair de um supermercado em São Francisco, Zona Sul de Niterói e seu corpo foi achado ontem, no Morro da Viradouro.